segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Asma na Terceira Idade


 
http://imguol.com/c/noticias/2014/02/17/homem-asma-bronquite-bombinha-remedio-idoso-1392663865336_956x500.jpg

       Uma crise de asma pode surgir pela primeira vez após os 60 anos de idade. Uma pessoa que teve asma na infância ou na juventude pode voltar a ter sintomas na terceira idade. Por outro lado, uma pessoa idosa pode ter sintomas como falta de ar, tosse ou chiados e não ser asma.
       O pulmão do idoso está alterado mesmo numa pessoa saudável: o contato com o ar poluído e com outras agressões, faz surgir a longo prazo, alterações pulmonares que resultam num menor teor de oxigênio. Além disso, o tórax tende a ficar mais rígido, levando a uma modificação no seu formato e prejudicando a função respiratória, os pulmões com o avançar da idade, perdem sua elasticidade. O resultado é que gradativamente começa a haver um prejuízo das trocas gasosas, causando uma diminuição da difusão do oxigênio e modificando a respiração. Para completar o quadro, as funções pulmonares responsáveis pela defesa contra infecções e gripes também estão diminuídas, fazendo que o idoso tenha maior facilidade em contrair tais infecções.

Cuidados com a asma no idoso:

Em primeiro lugar, confirmar o diagnóstico de asma com o médico especialista.
Avaliar se existe alergia envolvida
Afastar a possibilidade de outras doenças que possam ter sintomas semelhantes à asma
Avaliar se a pessoa faz uso de medicamentos que possam provocar asma, como por exemplo: colírios para glaucoma, certos anti-hipertensivos, aspirina (AAS) e alguns antiinflamatórios.
Pesquisar se o idoso é portador de doenças que possam piorar crises, como é o caso de refluxo gastro esofágico
Quais são as causas de crises no idoso?

Fala-se na alergia como causa da asma, mas na pessoa idosa nem sempre é freqüente. Citam-se: mudança de temperatura, infecções virais (gripes) repetidas, sinusites, medicamentos, refluxo gastro esofágico, aspectos emocionais.

O tratamento da pessoa é diferente

O tratamento da asma do idoso teoricamente é igual a qualquer pessoa, sendo utilizados remédios comuns, como os broncodilatadores e antiinflamatórios. O ideal é prevenir, através de medidas de controle ambiental, assim como através de remédios preventivos, que combatem o processo inflamatório e "acalmam" as vias respiratórias.


Não encare a velhice como uma restrição e sim como uma etapa
natural da vida. Se a doença atrapalha, procure vencê-la em
parceria com seu médico. A melhora da qualidade de vida é fator
fundamental no tratamento, mesmo nos idosos com asma mais persistente.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Obesidade infantil pode estar ligada a maior risco de asma


Um estudo publicado nesta semana sugere que a asma pode ser causada, em parte, pelo excesso de peso na infância.

Segundo os autores da pesquisa, é possível que a atual epidemia de obesidade infantil ajude a explicar o aumenta da prevalência de asma nos últimos anos. A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia estima que 20 milhões de brasileiro sejam asmáticos.

A nova pesquisa, realizada na Universidade de Bristol, Grã-Bretanha, analisou a relação do índice de massa corporal (IMC) de 4.835 crianças de sete anos, em média, com a prevalência de asma. Os autores também observaram o DNA dessas crianças, procurando especificamente por 32 variações genéticas associadas à doença.

As conclusões, publicadas no periódico Plos Medicine, indicaram que quanto maior o IMC da criança, mais elevado o risco de ela ter asma. Cada ponto a mais no IMC considerado como ideal para crianças (ou seja, de até 25), por exemplo, foi associado a uma chance 55% maior da doença. O estudo também descobriu uma forte relação entre IMC elevado, maior risco de asma e mais variações genéticas associadas à doença.

A pesquisa, no entanto, não identificou de que forma a obesidade pode levar à asma. Mesmo assim, os autores sugerem que intervenções na saúde pública para combater a obesidade podem ajudar a conter os crescentes casos de asma no mundo. "Influências do ambiente no desenvolvimento da asma na infância têm sido um assunto amplamente estudado em pesquisas epidemiológicas, mas poucos fornecem evidências de causalidade", escreveram os pesquisadores no artigo.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Conheça sete nutrientes para amenizar os sintomas da asma


Bife de fígado - Foto: Getty Images

Um simples vento gelado já pode ser suficiente para a crise de asma atacar. De acordo com dados do Ministério da Saúde, aproximadamente 16 milhões de brasileiros sofrem com essa inflamação crônica, que dificulta a passagem do ar pelas vias respiratórias e provoca tosse, chiado no peito e sensação de falta de ar. Embora nenhum alimento possa isoladamente prevenir ou piorar as crises,  existem nutrientes que ajudam nosso sistema respiratório a funcionar melhor e podem ajudar na prevenção. Inclua as sete opções abaixo no seu cardápio - sugeridas por especialistas - e aumente a sua imunidade!

Vitamina D

A falta dessa vitamina no organismo pode contribuir para o aumento da massa muscular nos brônquios, fazendo com que eles se contraiam mais, tornando a respiração mais difícil. Também é comum a pessoa com asma ser deficiente em vitamina D porque o uso de corticoides para o tratamento da asma pode diminuir os níveis desse nutriente, sendo necessária a suplementação. Até o momento, a vitamina D só deve ser suplementada em asmáticos com deficiência confirmada por exame de laboratório e a dose ideal de reposição será receitada pelo médico. Boas fontes de vitamina D são gema de ovo, fígado, manteiga e alguns tipos de peixes, como cavala, salmão e arenque.  

couve refogada - Foto: Getty Images

Magnésio

O magnésio promove o relaxamento muscular em períodos de crise de asma. A ingestão por meio da dieta vai facilitar a broncodilatação, melhorando o quadro respiratório e as funções pulmonares. Oleaginosas, leguminosas, cereais integrais, frutos do mar, vegetais e folhas verde escuras são boas fontes desse nutriente.

O mineral também pode ser usado no tratamento de crises graves de asma - em versão intravenosa ou inalatória - porque ajuda a aliviar o broncoespasmo, mas sempre com supervisão médica. O magnésio é usado sempre para complementar o tratamento padrão com broncodilatadores e corticoides.  

salada com ovos cozidos - Foto: Getty Images

Vitamina A

Além de fortalecer o sistema imunológico, a vitamina A regula o crescimento e a regeneração de vários tipos de tecidos e células do trato respiratório. Esse nutriente regula a função pulmonar, ajudando na produção de muco para expelir partículas, deixando nosso pulmão menos vulnerável a infecções. As principais fontes de vitamina A são fígado, ovo, manteiga, talos de verduras e legumes amarelos e vermelhos, como a cenoura. 

laranjas e kiwis - Foto: Getty Images

Vitamina C

Segundo um estudo publicado no periódico Clinical and Translational Allergy e desenvolvido pela Universidade de Tanta, no Egito, e a Universidade de Helsinki, na Finlândia, descobriu que a vitamina C pode melhorar a respiração de crianças com sintomas moderados de asma. Os efeitos benéficos da ingestão diária de vitamina C foram mais significativos em crianças com idades entre sete e oito anos. A ingestão de vitamina C ameniza a inflamação e estabiliza a liberação de histamina - substância vasodilatadora responsável pelas crises de asma.

A especialista também conta que é comum portadores de asma apresentarem uma deficiência na vitamina, mas a ingestão é recomendada somente por meio da dieta. Não há evidências que incentivem o uso de suplementação de vitamina C nos portadores de asma. Boas fontes de vitaminas C são acerola, laranja, limão e kiwi. 

oleaginosas - Foto: Getty Images

Selênio

Poderoso antioxidante, o selênio ajuda a eliminar os radicais livres que foram produzidos pelo processo inflamatório da crise de asma, evitando quedas bruscas na imunidade do portador da doença. O selênio pode ser encontrado em oleaginosas e cereais integrais. 

Óleos vegetais - Foto: Getty Images

Vitamina E

Assim como o selênio, a vitamina E é um antioxidante que ajuda nos processos inflamatórios desencadeados pela crise de asma. Alguns estudos mostraram que gestantes com deficiência nessa vitamina apresentaram mais riscos de ter filhos com asma. Gérmen de trigo, óleos vegetais, gema de ovo e vegetais folhosos são fontes de vitamina E. 

salmão grelhado - Foto: Getty Images

Ômega 3

A ingestão de ômega 3 irá inibir a produção de prostaglandinas, uma substância broncoconstritora associada a alergias respiratórias. Por conta disso, esse nutriente combate as inflamações e melhora a função respiratória. Peixes de água fria, canola, linhaça e gérmen de trigo são boas fontes de ômega 3. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...