Tratar a asma só com remédios para aliviar crise não controla a doença





Acordar à noite com falta de ar ou crise de tosse pelo menos uma vez por semana, ter chiado no peito e a necessidade de usar remédios de alívio mais que duas vezes por semana são situações que o asmático considera normais.

Mas, segundo o pneumologista Roberto Stirbulov, esses fatores não são normais porque mostram que a asma não está controlada.

Há dois tipos de medicamentos inalatórios, os broncodilatadores e os profiláticos. Estes primeiros têm ação rápida e são usados principalmente para aliviar as crises porque relaxam a musculatura dos brônquios, facilitando a passagem do ar.

Mas esses medicamentos não controlam a doença, apenas aliviam os sintomas. Por isso, os remédios de uso contínuo são mais indicados porque melhoram a inflamação e previnem as crises.

Além disso, esses medicamentos profiláticos reconstituem o tecido dos brônquios, que sofre alterações com as recorrentes crises de asma.

A asma é uma doença inflamatória crônica nas vias aéreas. Quando os brônquios inflamam, seus músculos se contraem e ficam mais estreitos e inchados. Ao mesmo tempo, a produção de secreção no pulmão aumenta e tudo isso dificulta a passagem de ar, dificultando a respiração.

As crises de asma podem ser desencadeadas por infecções, mudanças no tempo, cigarro, animais com pelo, poeira, pólen, produtos químicos, antiinflamatórios e outros fatores, como resfriado, cheiro forte, produtos derivados do petróleo ou até mesmo emoções positivas ou negativas.

A doença atinge de 8% a 10% da população brasileira e está entre as principais causas de internação entre crianças de até 6 anos. Além disso, cerca de 2,5 mil pessoas morrem por ano por conta da asma.

Não tem cura, mas o tratamento é fundamental para prevenir as crises, retardar e reverter parcialmente a alteração.

O controle da doença permite que os asmáticos tenham uma boa qualidade de vida, podendo desenvolver atividades físicas e profissionais sem limitações.

A dica da pediatra Ana Escobar é fazer um acompanhamento médico, praticar atividade física e evitar poeira, ácaro, mofo e pelos de animais nas casas com asmáticos.

Medicamentos ofertados na

rede privada CREDENCIADA NO
PROGRAMA SAÚDE NÃO TEM PREÇO
Medicamento incluído
no programa
Apresentação
do remédio
Brometo de ipratrópio 0,02 mg
0,25 mg
Dirpoprionato de beclometasona 200 mcg/dose
200 mcg/cápsula
250 mcg
50 mcg
Sulfato de salbutamol 100 mcg
5 mg/ml

Desde o dia 4 de junho deste ano, três medicamentos para asma estão disponíveis gratuitamente nas farmácias populares e nas farmácias privadas credenciadas no programa Saúde Não Tem Preço. As farmácias que fazem parte do programa têm o cartaz "Aqui tem farmácia Popular".

Medicamentos ofertados na

rede própria do governo
Sulfato de salbutamol 2mg
2mg/5m

Os princípios ativos dos remédios são: brometo de ipratrópio, dirpoprionato de beclometasona e sulfato de salbutamol. O farmacêutico pode orientar os pacientes quanto as diferentes marcas disponíveis com esses princípios ativos.

Porém, apenas o médico deve ser consultado quanto ao tipo de apresentação mais adequada para cada caso. O pneumologista Roberto Stirbulov explica que dois componentes são para aliviar os sintomas e o outro ajuda a prevenir as crises. Ele reforça que é importante sempre ter orientação médica.

Tratar a asma só com remédios para aliviar crise não controla a doença Tratar a asma só com remédios para aliviar crise não controla a doença Editado por saude.chakalat.net on 09:19 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.