Curta e Siga


Covid-19 e a Asma Brônquica





Melhores preços do Magazine Luiza. Clique aqui






O atual surto de doença viral causada pelo SARS-CoV-2 (COVID-19)  tem gerado preocupação e dúvidas nos  portadores de asma especialmente em relação à continuidade ou não do tratamento. Pensando nisso a SBPT vem a publico esclarecer alguns pontos:

  1. A asma é doença inflamatória crônica e deve ser tratada com o uso de medicamentos preventivos, como os corticoides inalatórios, isolados ou associados a broncodilatadores, conforme recomendação recentemente publicada pela SBPT e sociedades internacionais. O tratamento da asma deve ser mantido em vigência de infecções virais já que elas são causas frequentes de crises de asma.
  2. O tratamento do broncoespasmo por asma deve ser pautado no uso de agentes beta-2 agonistas de curta duração e anticolinérgicos, preferencialmente administrados via inalador dosimetrado e espaçador. O uso do  corticoide oral ou endovenoso deve seguir as recomendações das diretrizes para tratamento da asma, já que acelera a resolução da crise e impede sua recidiva.
  3. No protocolo da Organização Mundial da Saúde de manuseio da COVID-19 não se recomenda o uso de corticoides em pacientes com pneumonia viral, pela sua interferência na queda da carga viral, EXCETO QUANDO OS PACIENTES TAMBÉM APRESENTEM EXACERBAÇÃO POR ASMA E DPOC. Nessa situação, o risco-benefício do seu uso deve ser considerado.
  4. Os portadores de asma, particularmente os classificados como formas graves, estão incluídos no grupo de risco para complicações e devem seguir as orientações recomendadas aos portadores de doenças crônicas, tais como restringir o convívio social e, quando possível, desenvolver atividades na forma de home-office. Parentes saudáveis devem ser incumbidos de buscar receitas, evitando a necessidade dos pacientes comparecerem a consulta médica.
  5. Os pacientes portadores de asma devem ser vacinados contra gripe e pneumococo.
  6. O paciente asmático deve seguir todas as recomendações determinadas pelo Ministério da Saúde em caso de febre e sintomas respiratórios, além de ajustar o tratamento da asma, se necessário, conforme recomendações feitas pelo seu médico. Nos casos graves com febre alta e falta de ar, o paciente deve procurar serviço médico.

 

Referências

  1. Zhou F, Yu T, Du R et al. Clinical course and risk factors for mortality of adult inpatients with COVID-19 in Wuhan, China: a retrospective cohort study. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30566-3.
  2. Wang D, Hu B, Hu C, et al.Clinical Characteristics of 138 Hospitalized Patients with2019 Novel Coronavirus-Infected Pneumonia in Wuhan, China. Published online February 07, 2020. doi:10.1001/jama.2020.1585
  3. Inhibitory effects of glycopyrronium, formoterol, and budesonide on coronavirus HCoV-229E replication and cytokine production by primary cultures of human nasal and tracheal epithelial cells. Yamaya M , Nishimura H  , Deng X  et al  , Respir Investig. 2020 Feb 21
  4. Clinical management of severe acute respiratory infection when novel coronavirus (2019-nCoV) infection is suspected
  5. https://ginasthma.org/gina-reports/
  6. Pizzichini MMM, Carvalho-Pinto RM, Cançado JED, Rubin A et al.Recomendações para o manejo da asma da SBPT-2020. J. Bras. Pneumol. 2020;46(1)e20190307

Comissão Científica de Asma SBPT.


Nos Siga nas Redes Sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube . Adicione no grupo do Whatsapp

Deixe seu comentário e nos marque(@Sua Saúde) pra gente ver:

Nenhum comentário